Turminha do MPF visita escolas

Na foto, os procuradores da República Ládia Albuquerque e Luiz Vicente conversam com alunos da rede de ensino estadual sobre o papel do MPF perante a sociedade (foto: Rômulo Bourbon).

Nesta quinta-feira, 21 de setembro de 2017, foi dado o pontapé inicial para o projeto Turminha do MPF nas escolas, cujo objetivo é contribuir para a formação de crianças e adolescentes, estimulando o exercício da cidadania e difundindo o papel do Ministério Público Federal.

No auditório da escola Paulo de Souza Leal, situada no bairro Tejipió, em Recife/PE, integrantes do MPF promoveram palestras para alunos da rede de ensino estadual sobre direitos e deveres da população.

Na oportunidade, o escritor Rômulo Bourbon conversou com alunos do 9º ano do ensino fundamental sobre o projeto, além de fazer doação de exemplar da obra A Lua Tristonha para a instituição.

Na foto, o escritor Rômulo Bourbon fala sobre o projeto Turminha do MPF (foto: Ascom – PR/PE).

Exemplar da obra “A Lua Tristonha” entregue à escola Paulo de Souza Leal (foto: Rômulo Bourbon).

Livros da “Turminha do MPF” distribuídos entre os alunos (foto: Ascom – PR/PE).

A Turminha do MPF é composta por dez personagens (incluindo um cão-guia), que buscam representar a diversidade da população brasileira. Essa diversidade foi expressa nas idades, etnias (indígena, negros e brancos) e condições de acesso (deficiente visual).

Turminha do MPF (imagem: turminha.mpf.gov.br)

Como dizia Rubem Alves, “um livro é um brinquedo feito com letras. Ler é brincar”.

Acesse:

turminha.mpf.mp.br

aluatristonha.wordpress.com

Anúncios
Publicado em - A Lua Tristonha, - Rômulo Bourbon, Literatura | Marcado com , , , , | Deixe um comentário

Há 68 planetas no ângulo perfeito para observar o Sistema Solar

© iStock Sorria, você está sendo filmado- há 68 planetas no ângulo perfeito para observar a Terra.

Desde que foi lançado, em 2009, o telescópio espacial Kepler detectou mais de 4 mil potenciais exoplanetas. Segundo a NASA, só temos certeza da existência de 2,3 mil deles. Destes, 30 são rochosos, mais ou menos do tamanho da Terra e estão na zona habitável de suas estrelas, o que os torna sérios candidatos a abrigar vida como a conhecemos (baseada em carbono, oxigênio e outros elementos familiares da tabela periódica).

Astrônomos sabem disso pelo método Sherlock Holmes, com o máximo de dedução e o mínimo de informação. O detetive britânico, na obra Silver Blaze, conclui que o suspeito tinha que ser frequentador da casa em que ocorreu o crime porque o cachorro não latiu quando ele entrou (esse spoiler já é domínio público). De forma análoga, astrônomos sabem que uma estrela tem um ou mais planetas em sua órbita não porque veem os planetas em si, mas porque percebem que a estrela brilha menos em intervalos regulares – justamente quando os planetas estão passando na sua frente e fazem um pouco de sombra.

Observação direta, claro, é impossível. Astros de porte similar ao do nosso, além de minúsculos na escala cósmica, estão a muitos anos-luz daqui e não emitem luz própria. Se uma estrela já parece um pontinho no céu, imagine só um planeta com diâmetro cem vezes menor?

A sacada é linda. Mas seria muita pretensão nossa achar que só a Terra deu bons detetives. Qualquer alienígena da Via Láctea com mais de dois neurônios e um telescópio bom de verdade pode apontá-lo para o Sol. E assim como nós perceber que, em intervalos regulares, sua luz é ofuscada por algum dos oito planetas que passam na sua frente o tempo todo – inclusive o nosso, que é, nas palavras de Jimi Hendrix, “a terceira pedra a partir do Sol”. Bingo: nessa situação hipotética, uma civilização com tecnologia similar à nossa já teria a Terra (ou Marte, ou Júpiter ou qualquer outro vizinho) em seus registros.

Qual deles? Aí a conta fica mais difícil. “Planetas maiores naturalmente bloqueiam mais luz conforme eles passam na frente de suas estrelas”, afirmou em comunicado Robert Wells, que identificou, em um estudo, 68 exoplanetas que estão em uma posição privilegiada para detectar o Sistema Solar usando mesmo método que nós aplicamos por aqui. “Acontece que o fator mais importante é a distância entre o planeta e a estrela que o hospeda. Como os planetas rochosos [Terra , Marte etc.] estão muito mais próximos do Sol que os gigantes gasosos [Saturno, Júpiter etc.], é mais provável que eles sejam vistos passando na frente dele.”

Um observador posicionado de maneira aleatória teria apenas 2,51% de chance de observar um dos planetas do Sistema Solar. A chance de observar dois ao mesmo tempo é dez vezes menor, o,22%. Dos 68 planetas que estão na posição ideal para observar o Sistema Solar, só 9 veriam a Terra. Nenhum desses 9 é considerado habitável, ainda bem.

Esses valores são minúsculos em comparação ao número de exoplanetas que efetivamente existem por aí. Isso acontece porque, para ver a Terra (ou qualquer outro planeta), não basta ser capaz de observar o Sol: é preciso, como já explicado, observá-lo de um ângulo em que os planetas passem na sua frente e ofusquem sua luz. Tudo questão de perspectiva. Se você aplicar isso ao mapa do céu, é possível traçar uma linha que une os lugares de onde seria possível detectar a existência do nosso sistema planetário caso houvesse alguém lá fora para observá-lo. Veja a ilustração a seguir. A linha azul corresponde ao à Terra. As demais, aos outros sete planetas do Sistema Solar.

Ou seja: nossa privacidade está garantida, mas a recíproca é verdadeira. Da mesma forma que pouquíssimos ETs teriam a chance de ver a Terra, deve haver muitas Terras por aí, debaixo do nosso nariz, que nós nunca chegaremos a ver.

© Divulgação



Fonte: MSN Notícias

Publicado em - curiosidades, Astronomia | Marcado com , , | Deixe um comentário

Como acompanhar o eclipse solar total desta segunda-feira

Eclipse solar visto na Austrália: americanos viverão experiência semelhante, segundo a Nasa (Foto: NASA).

Na tarde desta segunda-feira (21), moradores e turistas em 14 estados americanos poderão acompanhar o primeiro eclipse solar total a cruzar os EUA de costa a costa em 99 anos, e de todo o território continental será possível observar o fenômeno ao menos parcialmente. Por isso, a preparação foi grande. Cidades dentro da faixa de totalidade esperam milhares de turistas e foram vendidos milhões de óculos especiais. Mas mesmo quem não está nos EUA poderá acompanhar o Sol ser escondido pela Lua em transmissões ao vivo pela internet.

A agência espacial americana preparou uma grande operação para o evento. A partir das 13h, pelo horário de Brasília, a Nasa inicia a transmissão de programação especial, com imagens capturadas em diversos pontos de observação e comentários de cientistas. Para evitar problemas com o tráfego, o sinal será distribuído pelo site da agência, mas também pelo Facebook Live, YouTube, Periscope, Ustream e Twitch.

Área por onde passará o eclipse solar total nos EUA.

As imagens serão transmitidas por repórteres em terra, em eventos promovidos pela agência e outros institutos de pesquisa, mas também por câmeras instaladas em 11 espaçonaves, três aviões, mais de 50 balões de alta altitude e astronautas e bordo da Estação Espacial Internacional, cada uma oferecendo um ponto de vista único deste raro evento celeste.

A cidade de Lincoln City, em Oregon, na Costa Oeste, será a primeira a observar o fenômeno. A Lua começará a cobrir o Sol às 13h04 (horário de Brasília) e a totalidade será entre as 14h16 e 14h18, com o fim do fenômeno às 15h36. Charleston, na Carolina do Sul, será uma das últimas cidades dentro da faixa de totalidade. Por lá, o eclipse começa às 14h16, e o eclipse total acontece entre 15h46 e 15h48.

Do Brasil, moradores de alguns estados das regiões Norte e Nordeste poderão acompanhar o eclipse parcialmente, sendo Macapá o melhor ponto de observação entre as capitais.

De acordo com as previsões, os macapaenses poderão ver a Lua cobrindo 40,9% do Sol, com início do eclipse às 16h09m e pico às 17h09m. Moradores de Boa Vista, Belém, São Luís, Teresina, Fortaleza, Natal, João Pessoa e Recife poderão ver entre 30% e 40% do Sol coberto. Em Salvador, a cobertura será de 12,6%, e, em Brasília, apenas 2%. Estados mais ao Sul, incluindo o Rio de Janeiro, ficam fora da faixa. Os horários exatos do fenômeno podem ser conferidos no site Time and Date.

Os eclipses totais do Sol não são exatamente raros. Eles acontecem aproximadamente a cada dois anos, mas a faixa de totalidade é estreita e curta. O último visto do Brasil aconteceu em março de 2006, cobrindo uma pequena região do Nordeste, entre os estados do Ceará, Rio Grande do Norte e Paraíba. A próxima vez será em agosto de 2045. Em 2 de julho de 2019, um eclipse total vai cruzar o Chile e a Argentina, sendo visto parcialmente das regiões Sul e Sudeste, incluindo o Rio de Janeiro. O fenômeno se repetirá em 2020.

Os pesquisadores lembram que, seja no eclipse total ou parcial, é preciso cuidado na observação. Nunca se deve olhar diretamente para o Sol sem proteção — velhos negativos de filmes fotográficos e chapas de radiografias não funcionam para a proteção adequada. Estudos indicam que menos de 30 segundos de observação direta podem ser suficientes para provocar danos permanentes na retina, incluindo a cegueira. E o uso de binóculos ou telescópios potencializam os riscos.

Para acompanhar o eclipse, basta acessar o site da NASA ou o canal de Tv da agência no youtube NASAtelevision


Fonte: Época Negócios

Publicado em - curiosidades, Astronomia | Marcado com , , , | Deixe um comentário

Nasa apresenta sonda que vai para o Sol em 2018

Imagem (crédito): mensageiro sideral

Após décadas de ansiosa espera da comunidade científica, a Nasa está pronta para despachar uma espaçonave não tripulada destinada a realizar voos rasantes sobre o Sol.

A sonda, chamada Solar Probe Plus, tem lançamento marcado para meados de 2018. Ela será colocada numa órbita bastante alongada em torno do Sol, similar à de um cometa de curto período. Com a ajuda de passagens de raspão por Vênus, ela irá pouco a pouco ajustando seu periélio para que ele chegue mais e mais perto do Sol.

No ponto de máxima aproximação, sua trajetória deve levá-la a cerca de 6 milhões de quilômetros da superfície de nossa estrela-mãe — dez vezes mais perto dela que Mercúrio, o mais interno dos planetas.

Nesta quarta-feira (31), a agência espacial americana realiza um evento na Universidade de Chicago para divulgar detalhes do projeto, que tem basicamente dois objetivos: compreender a dinâmica da nossa estrela num nível de detalhamento sem precedentes, estudando em particular a coroa solar, e com isso ajudar a proteger a Terra de supertempestades solares — eventos que, em princípio, poderiam afetar nossos equipamentos elétricos e causar trilhões de dólares em prejuízos.

Um dos maiores enigmas que a sonda poderá decifrar é o porquê de a atmosfera solar ser milhões de graus mais quente que a fotosfera — a superfície do Sol, que tem relativamente modestos 5.600 graus Celsius.

Há muito tempo os cientistas vêm querendo investigar isso, mas para tanto precisam enviar uma sonda até lá. E só agora a tecnologia chegou a um ponto em que a Nasa se sente confiante de que poderá realizar a missão com sucesso.

Os equipamentos da Solar Probe Plus — uma câmera e diversos sensores de partículas e campos magnéticos — estão todos escondidos atrás de um avançado escudo térmico feito de materiais compostos de carbono. Enquanto o lado voltado para o Sol enfrentará uma fritura de cerca de 1.400 graus Celsius, os sistemas eletrônicos estarão em temperatura ambiente.

Isso se tudo der certo.

Independentemente do sucesso, graças à poderosa gravidade solar, a sonda será a mais rápida a viajar por essas bandas — em sua passagem mais próxima pelo Sol, ela estará voando a inacreditáveis 720 mil km/h! São 200 km a cada segundo, o equivalente a 0,07% da velocidade da luz!

O objetivo da missão é realizar 24 órbitas ao redor do Sol, entre 2018 e 2025. E ela não estará sozinha. A ESA (Agência Espacial Europeia) também está planejando uma sonda dedicada a observar nosso astro-rei de perto. Chamada de Solar Orbiter, ela deve decolar em outubro de 2018, mas não chegará tão perto quando a Solar Probe Plus.

Em ambos os casos, contudo, como toda espaçonave a voar por território desconhecido, espera-se que elas tragam não só muitas respostas a velhas perguntas, mas sobretudo novas perguntas que nos guiem na investigação dos segredos mais íntimos do Sol e das estrelas.

 


Por Salvador Nogueira – publicado no site Mensageiro Sideral

Publicado em - exploração espacial, Astronomia | Marcado com , , , | Deixe um comentário

Dia das Mães

Neste domingo, 14 de maio de 2017, é comemorado o Dia das Mães. Portanto, nossas homenagens vão para as mães que estão nos quatro cantos da Terra (ou no Espaço, como a astronauta da foto, com seu bebê).

Como dizia o poeta Mário Quintana:
MÃE…
São três letras apenas,
As desse nome bendito:
Três letrinhas, nada mais…
E nelas cabe o infinito
E palavra tão pequena
Confessam mesmo os ateus
És do tamanho do céu
E apenas menor do que Deus!

Publicado em - piadas, quadrinhos e charges, Diversão | Marcado com , , , | Deixe um comentário

Satélite brasileiro é lançado em centro espacial na Guiana Francesa

Brasil lança satélite que permitirá acesso à banda larga em áreas remotas (Foto: Reprodução/NBR).

O governo brasileiro lançou, nesta quinta-feira (4), o Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC). Ele será usado para as comunicações, principalmente para oferta de banda larga em áreas remotas, e será integralmente controlado pelo Brasil.

O lançamento ocorreu na base de Kourou, na Guiana Francesa. O satélite foi enviado dentro do foguete Ariane 5.

Com esse novo projeto, o Brasil deixará de alugar satélites de empresas privadas. O SGDC ajudará o país a “democratizar” o sistema digital.

Foguete Ariane 5 (Foto: Reprodução/Twitter/@Arianespace).

O satélite terá uso civil e militar e exigiu R$ 2,784 bilhões em investimentos. A vida útil do satélite é de 18 anos.

Além de ampliar a capacidade de telecomunicações e a cobertura de serviços de internet banda larga no Brasil, com foco em áreas de difícil acesso, ele fornecerá um meio seguro para transferência de informações civis e militares que envolvam a segurança nacional.

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, afirmou que além da independência da soberania, por ser o primeiro satélite totalmente operado por brasileiros, o satélite vai acabar com o apartheid digital.

Satélite brasileito foi lançado nesta quinta-feira (4) (Foto: Reprodução/TV Globo).


Fonte: G1

Publicado em - exploração espacial, Astronomia | Marcado com , , , , | Deixe um comentário

Google faz homenagem à sonda Cassini, da Nasa

Imagem: Google Discovery

O Google está fazendo uma homenagem a Nave Cassini que, após 20 anos registrando imagens de Saturno e suas luas, se prepara para encerrar a missão ao mergulhar no interior do gigante gasoso.

“Saturn, prepare-se para o seu close-up! Hoje, a sonda Cassini começa uma série de rusgas entre Saturno e seus anéis. Estas acrobacias cósmicas são parte do dramático ‘grande final’ da Cassini, um conjunto de órbitas oferecendo terráqueos um olhar sem precedentes no segundo maior planeta do nosso sistema solar”, publicou o Google.

“Ao mergulhar nessa fronteira fascinante, Cassini vai ajudar os cientistas a aprender mais sobre as origens, massa e idade dos anéis de Saturno, bem como os mistérios do interior do gigante gasoso. E, claro, haverá adições deslumbrantes para já impressionante da galeria de fotos da Cassini. Cassini recentemente revelou alguns segredos de Encélado, a lua gelada de Saturno – incluindo condições amigáveis para a vida! Quem sabe o que este explorador vai descobrir no capítulo final de sua missão?”.

“Cassini é um esforço conjunto da NASA, a Agência Espacial Europeia (ESA) e a Agência Espacial Italiana (ASI). A sonda começou sua jornada de 2,2 bilhões de milhas há 20 anos e está junto à Saturno desde 2004. Ainda este ano, a Cassini vai dizer adeus e se tornar parte de Saturno quando ela cair através da atmosfera do planeta. Mas, primeiro, ela tem alguns passeios espetaculares para fazer!”, fecha a nota.

Abaixo, você pode ver um rascunho do Doodle, feito pelo doodler Nate Swinehart, antes de sua produção final:


Fonte: Google Discovery

Publicado em - curiosidades, Astronomia | Marcado com , , , , , , | 1 Comentário