Desenhando o sonho

Assim como outras estórias, A Lua Tristonha ficou guardada durante anos no meio da minha papelada, até que, em dezembro de 2010, resolvi dar o pontapé inicial para a publicação do livro.

Primeiro, era preciso dar cores à minha imaginação, dar vida aos personagens. Mas como o meu talento para o desenho é inversamente proporcional ao meu talento para a escrita, passei a procurar um ilustrador.

Em dezembro de 2010, fiz meu primeiro contato com Emerson Fialho, desenhista profissional, responsável pela ilustração de vários livros publicados em editoras do Recife e com diversos trabalhos realizados para editoras de outros Estados.

Tivemos um contato inicial naquele mesmo mês. Durante um rápido café em um shopping no bairro de Casa Forte, fiquei deslumbrado com a qualidade dos desenhos de Emerson. A partir de então, não tive mais dúvidas de que seria ele quem iria ilustrar a minha estória. Esse foi o primeiro esboço da Lua, desenhado ali, na hora, em poucos minutos:

Ao escrever uma estória infantil, é comum que o escritor faça uma visualização mental dos seus personagens, dos lugares em que eles vivem e das coisas ao seu redor.

Comigo não foi diferente. Desde o começo eu imaginava como seriam os personagens da estória. As imagens eram claras em minha cabeça: a Lua e suas fases, o eclipse do Sol… Assim, procurei sempre colocar notas de rodapé no texto para indicar onde e como seriam os desenhos (“figura 1”, “figura 2”, “figura 3” etc).

Mas Emerson, com seu talento peculiar, não só fazia os esboços das ilustrações com base nas minhas ideias, como também, em muitos momentos, ousou inovar, colocando em prática toda a sua imensa criatividade. E essas inovações também exerceram influências positivas para o aprimoramento da obra.

À medida que Emerson me encaminhava novos esboços, eu apresentava os desenhos à minha filha, que, com sua imaginação aguçada, dava-me o maior respaldo que eu poderia ter, já que ela tinha o bom hábito de ler e já havia devorado vários livros infantis. Sem falar que ninguém melhor para dar palpites sobre as preferências das crianças do que uma criança, não é?

Observe, no esboço abaixo, que a Lua tinha uma mecha de cabelo e um laço. Perguntei a Júlia qual seria o enfeite mais bonito para enfeitar a Lua. A garota não teve dúvidas: o laço! E, assim, o laço vermelho se tornou o enfeite escolhido para a capa do livro.

Ilustração: Emerson Fialho

Confira abaixo outros esboços iniciais das ilustrações do livro:

Em maio de 2011, finalizamos os trabalhos de ilustração. Agradeço a Emerson pelo trabalho belíssimo, fruto de competência e amor pelo que se faz. O resultado poderá ser conferido no livro pela criançada. Espero que gostem!

Anúncios
Esse post foi publicado em - A Lua Tristonha, Literatura e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s