Cidadezinha qualquer

Cidadezinha qualquer (2)CIDADEZINHA QUALQUER
(Rômulo Bourbon)

“O canto de um galo ao amanhecer
O sol entrando pelas janelas
Agricultores com enxadas na mão
As vacas em frente de casa
Dona Severina preparando o café
Moleques roubando goiabas do vizinho
O sino da escola tocando
O entardecer
A tranquilidade
A natureza na sua melhor forma.

Porque o campo faz parte da cidade, que faz parte do Estado, que faz parte do País, que faz parte do continente, que faz parte do Planeta, que faz parte do Universo!!! Até a próxima, astronautas!

Anúncios
Esse post foi publicado em - Rômulo Bourbon, Literatura e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s